segunda-feira, 11 de novembro de 2013

LAMENTÁVEL: Jovens Católicos Homenageiam Marilena Chauí



Triste... Muito triste ver como a Santa Igreja Católica está infestada de pessoas que, no mínimo, não sabem de nada do que estão aprontando para o Corpo de Cristo. Hoje tive conhecimento de uma homenagem que a Juventude da Paróquia Nossa Senhora do Carmo fez a Marilena Chauí, aquela mesmo que disse que a classe média é uma abominação política, porque ela é fascista, uma abominação ética, porque ela é violenta, e ela é uma abominação cognitiva, porque ela é ignorante.

Até entendo que estudantes universitários possam fazer uma homenagem a essa criatura, afinal as universidade estão tomadas pelos esquerdistas desde meado dos anos 70 e hoje em dia, principalmente nas faculdades da área de humanas, é praticamente hegemonia. Mas jovens CRISTÃOS homenagearem uma pessoa que apoia pensamentos que visam DESTRUIR A RELIGIÃO, sobretudo o cristianismo, é no mínimo muita ignorância.

A Igreja Católica, para os desinformados, já se posicionou contra o Comunismo de forma bastante enfática. Inclusive, ser comunista é motivo de excomunhão automática. Veja essa explicação DOCUMENTADA.



Eu acho que o vídeo já foi claro o suficiente, mas para quem ainda tem dúvidas sobre o POSICIONAMENTO OFICIAL DA IGREJA CATÓLICA EM RELAÇÃO AO COMUNISMO, veja esses documentos:

CARTA ENCÍCLICA - DIVINIS REDEMPTORIS -SOBRE O COMUNISMO ATEU :
http://www.vatican.va/holy_father/pius_xi/encyclicals/documents/hf_p-xi_enc_19370319_divini-redemptoris_po.html

CARTA ENCÍCLICA - EVANGELII PRAECONES - SOBRE O FOMENTO DAS MISSÕES:
http://www.vatican.va/holy_father/pius_xii/encyclicals/documents/hf_p-xii_enc_02061951_evangelii-praecones_po.html

CARTA ENCÍCLICA - AD APOSTOLORUM PRINCIPIS - EXORTAÇÕES E NORMAS PARA A IGREJA CATÓLICA NA CHINA:
http://www.vatican.va/holy_father/pius_xii/encyclicals/documents/hf_p-xii_enc_29061958_ad-apostolorum-principis_po.html

CARTA ENCÍCLICA - RERUM NOVARUM - SOBRE A CONDIÇÃO DOS OPERÁRIOS:
http://www.vatican.va/holy_father/leo_xiii/encyclicals/documents/hf_l-xiii_enc_15051891_rerum-novarum_po.html

Eu acho INADMISSÍVEL que um padre permita uma coisa dessas. Acho mais inadmissível ainda que um BISPO não tome as devidas providências. Muitos desses jovens, coitados, não estão ciente do que estão fazendo e, se estão ciente, já estão excomungados. Infelizmente as paróquias estão ENTUPIDAS dessas porcarias, principalmente nos movimentos sociais e missionários, todos seduzidos pelo caráter falso do Socialismo e da doutrina Marxista que é TODA contrária ao cristianismo.

Infelizmente o dono do vídeo desabilitou a opção de incorporar o vídeo, então vocês terão que acessá-lo direto no Youtube. Acesse: http://youtu.be/qCPmOr9QSv8

Mas essa não foi a primeira vez e provavelmente não será a última. Vejam a postagem “O Triunfo de Satanás – Hora da Colheita do Antigo Bispo Auxiliar da Zona Leste – Dom Luciano Mendes de Almeida” que mostrou outras atrocidades".

E, para os que têm dúvidas sobre a doutrina de Marilena Chauí, dá uma pesquisada rápida na internet e compare com os documentos (e o vídeo) citados acima. Verás que não resta dúvidas quanto a quem ela é na visão da Igreja Católica e que essa homenagem à Marilena Chauí é completamente inadequada, ainda mais dentro de uma paróquia.

Vale lembrar que com a queda da União Soviética alardearam que o Comunismo tinha morrido. Nada mais falso! Estamos vendo que ele está aí, no nosso dia a dia (inclusive no Brasil, nas doutrinas do atual governo) e crescendo de forma assustadora no mundo. Matar uma nomenclatura não significa matar sua ideia. Muito pelo contrário... Matar uma nomenclatura desgastada pode trazer frutos muito mais prósperos do que antes, e é exatamente isso que está acontecendo com o comunismo.

Ainda terei outras oportunidades para falar mais sobre esta desgraça do século XX, infelizmente.


domingo, 27 de outubro de 2013

Aprendendo a Andar de Bicicleta - “Pedagogia” Divina Para Salvação


O ser humano a todo o momento passa por altos e baixos, em tudo na vida. Seja no trabalho, nos estudos, em momentos de diversão, nos relacionamentos com a família, amigos, colegas de trabalho, vizinhos... Enfim, no dia a dia temos momentos de picos e vales.

Na nossa fé não seria diferente. Muitos já devem ter passado por momentos de empolgação, indo às missas todos os domingos, encontros de grupos paroquiais, visitas a instituições de caridade, faz as orações diárias em casa, reza o terço todos dias e tudo mais que aparecesse para “alimentar” sua necessidade espiritual.

Mesmo tão engajados e tão empolgados, de repente vem aquela “sensação de abandono” e uma vontade repentina de nada mais fazer. Sem explicação alguma a gente perde toda essa vontade que nos fazia muito bem e começamos a “amarrar” para continuar fazendo tudo que nos fazia bem. Inexplicavelmente a gente vai abandonando tudo isso e, quando nos damos conta, caímos novamente no deserto árido e nos sentimos abandonados, sendo necessário outro “empurrão” para voltarmos a tal empolgação.

Acredito que muitos devam se identificar com tudo isso. Eu me identifico fortemente. E, digo mais, isso acontece comigo diversas vezes em poucas semanas.

Por que isso acontece? Foi meditando e assistindo umas aulas do Padre Paulo Ricardo que encontrei umas explicações e comecei a refletir sobre o assunto. Refletindo, cheguei a uma analogia com o aprender a andar de bicicleta, em que o pedalar constantemente é o que fazemos para nos mantermos indo ao céu.

Primeiramente, vamos pensar em algumas etapas que não são raras de se ver durante o processo de aprendizado a andar de bicicleta.

01) Tentar aprender sozinho. Nos apoiamos em diversos locais para tentar o equilíbrio e vemos como é difícil manter este ao mesmo tempo que tentamos começar a praticarmos o ato de pedalar. Temos medo de soltar do lugar que nos apoiamos e cairmos e ao mesmo tempo não conseguimos pedalar nos segurando. É difícil aprender as duas coisas ao mesmo tempo.

02) Pedimos ajuda para nossos pais. Vemos que será difícil aprender a andar sozinho e pedimos socorro ao nosso pai e/ou nossa mãe (ou alguém próximo).

03) Nossa mãe, visando nossa independência e liberdade, nos propõe colocar DUAS rodinhas para nos habituarmos com o ato de pedalar. Depois de um tempo, após nos acostumarmos com o ato de pedalar, passamos para o próximo estágio.

04) Nossa mãe, então, tira uma das rodinhas. Nos sentimos inseguros, se virarmos para o lado errado, a gente cai. Depois de um tempo, nos acostumamos e já nos sentimos seguros novamente, momento de passar para a próxima etapa.

05) Chega o momento de andarmos sem as rodas, o nosso medo e insegurança se mantêm. Sabemos pedalar e já temos um pouco de equilíbrio, mas sem rodinhas as coisas ficam mais difíceis. Nossa mãe então nos acompanha e nos segura enquanto pedalamos e temos a sensação de estarmos pedalando sozinhos. Chega o momento que estamos pedalando sozinhos e não percebemos, mas nosso medo ainda impede de termos essa independência.

Pronto. Aprendemos a andar de bicicleta e a única regra que temos que seguir, agora, é nos mantermos pedalando para não cair. Se paramos de pedalar, a bicicleta vira e caímos.

Na nossa fé, é exatamente assim. A gente tenta levar tudo sozinho, mas somos incapazes (sim... INCAPAZES) de nos mantermos independentes. Precisamos sempre do auxílio divino para chegar à independência e precisamos continuar pedindo ajuda, mesmo quando já aprendemos a “pedalar sozinhos”.

Deus vai nos sustentando durante diversos estágios e, quando já podemos caminhar determinadas etapas sozinhos, Ele nos deixa livre para que possamos nos aprimorar e passar para os próximos estágios. Esses são os momentos de “aridez espiritual”. Se não lutarmos contra esses momentos, vamos abandonar nosso objetivo e voltar a fazer as coisas “como achamos que deve ser feito”.

Por isso, não tenha medo de continuar sua trajetória nos momentos que se sentir abandonados. Deus não nos abandonou, assim como nossa mãe também não nos abandonou quando estávamos passando de estágio por estágio no aprendizado de andar de bicicleta. Quando nos sentimos em apuros, basta recorremos a Ele e pedir ajuda para poder continuar.

“Ah, Fernando... Mas tem pessoas que aprendem a andar de bicicleta sozinhas!”

Sim! Tem... Mas, se temos artifícios para aprendermos mais rápido e de forma segura, porque não utilizar? Vaidade? Soberba? No caso da fé, temos os sacramentos, os santos, o evangelho, os encontros, as missas... enfim, vários artifícios para nos apoiarmos.

Há também pessoas que aprendem a andar de bicicleta “na marra”. No meu caso (e acredito que de muitos) pedi a minha mãe que me desse um “grande empurrão” numa pista reta para que eu aprendesse de vez. Bom... Foi um método arriscado... Poderia ter me “estrupiado” todo no chão! No caso da fé, você pode quebrar a cara várias vezes até aprender de verdade (acho que isso acontece muito, né?), principalmente se tentarmos dar passos mais largos do que podemos (como no caso que pegamos uma bicicleta muito maior do que a gente e pede para alguém nos empurrar).

Concluo dizendo...

Nos momentos de “aridez espiritual”, quando se sentir desmotivado e “pesado” para continuar fazendo o que estava fazendo antes, não abandone o processo. Tenha a certeza que na verdade você evoluiu de estágio e está precisando de mais auxílio para seguir em frente. Não hesite em pedir a Nossa Senhora que Deus nos conceda mais fé e determinação para nos “mantermos pedalando”.

Deus não nos abandonou e nunca nos abandonará, mas Ele, por amor, deseja que peçamos a Ele essa ajuda. Se assim não for, podemos seguir uma falsa liberdade que na verdade é uma escravidão. Ficar refém de “métodos” que não nos levam a evoluir espiritualmente.

Deixo para vocês dois vídeos do Padre Paulo Ricardo:

Como combater a preguiça espiritual

Leia o texto: "Como combater a Preguiça Espiritual"

O que fazer contra a aridez espiritual

Leia o texto: "O que fazer contra a Aridez Espiritual"

Fernando Petersen
(Publicitário, estudante de Comunicação Social)

domingo, 13 de outubro de 2013

Milagre do Sol - Nossa Senhora de Fátima


Para um Mariano como eu, definitivamente não há dia melhor para (re)inaugurar o meu blog. Há exatos 96 anos, no dia 13 de outubro de 1917, ocorreu o MILAGRE DO SOL finalizando a série de aparições de Nossa Senhora em Fátima.

A Igreja Católica trata com muita cautela as aparições de Nossa Senhora (principalmente as aparições privadas) e os católicos não são “obrigados” a acreditar nelas, mas essa aparição de Fátima (que ocorreu o Milagre do Sol) é reconhecida por todos os Papas, sendo o Papa João Paulo II devotíssimo de Nossa Senhora de Fátima. Inclusive, ele atribui o papado dele a Ela, principalmente depois do atentado que ele sofreu no Vaticano em 1981.

O Milagre do Sol finalizou a série de aparições que começou no dia 13 de maio de 1917 e encerrou em 13 de outubro do mesmo ano.

Vejam essa “palestra” sobre o Milagre do Sol


O Milagre do Sol foi presenciado por mais de 40mil pessoas, entre elas muitos que foram para lá para “desmascarar” o que julgavam ser mentiras. Inclusive a imprensa! Vejam abaixo essas páginas de uma revista da época, em que um jornalista relata o que viu (clique na imagem para ampliar):

 




Entrevista com uma testemunha do Milagre do Sol, concedida a Canção Nova - Portugal.


Vale ressaltar que os milagres não têm explicação no limitado campo do conhecimento do ser humano. Por isso se chama MILAGRE. No Milagre do Sol foram mais de 40mil testemunhas oculares, dentre eles pessoas da ciência, religiosos e jornalistas.

Neste post não vou tratar das aparições especificamente. Elas ficaram para uma outra oportunidade, mas certamente irei colocar o link abaixo quando elas forem publicadas.