domingo, 27 de abril de 2014

Os Influenciadores na Comunicação


Os influenciadores são peças fundamentais que atuam na mídia e no dia a dia. Sempre, repito, SEMPRE vai ter alguém, em algum canal, em algum meio, em algum veículo, que irá influenciar muitas pessoas.

O ser humano em si sofre influência de todos os lados, mesmo que de forma bastante inconsciente. Não existe um ser humano sequer que não seja influenciável. Todos, simplesmente todos estão à mercê de alguém. Isso porque todo ser humano está em busca de construir a sua identidade (principalmente quando se tem uma pressão externa para que se faça isso) e para isso “escolhe-se” pessoas (ou coisas) como referência.

Quando criança, a primeira e principal referência são os pais (deveria) e o professor da escolinha (hoje também apresentadores de TV e artistas). Quando adolescente, os jovens tendem a abandonar um pouco os pais (principalmente com o estímulo externo) e buscam suas referências em amigos, professores e “apresentadores de TV, artistas e autores”. Quando adulto, isso não muda, o adulto mantém buscando suas referências.

“Desde os primórdios até hoje em dia o homem” (cf Homem Primata - Titãs) o homem tende a se reunir diante de alguém que tem alguma liderança. Uma liderança, para ser efetiva, deve ser legitimada e não imposta. Está aí porque o modelo político voltado para a democracia normalmente (NORMALMENTE) é menos conflitante do que o modelo ditatorial em que se impõe um líder.

“Ser líder” não é para qualquer um. Ser líder é ter vocação. Não adianta a pessoa querer ser líder se não tiver alguns atributos inerentes à liderança e um desses atributos é exatamente o “poder de influenciar os liderados”. Para ser considerado um influenciador, em comunicação, é necessário estar em sintonia com o público, falar da maneira que ele entenda e, de preferência, dizer algo que eles queiram ouvir e acreditem. É preciso que o influenciador tenha credibilidade diante do influenciado. Por isso que a Comunicação é tão estudada e engloba tantas ferramentas de outras áreas (Antropologia, Sociologia, Psicologia, Filosofia, etc etc etc etc...).

Com o desenvolvimento (e descobertas) da comunicação, notou-se o poder de influência e a capacidade de mudar comportamentos. Isso não é utilizado apenas por “empresas capitalistas opressoras”, mas muito mais por sistemas políticos que pretendem incutir ideologias e movimentar massas (ex: Nazismo, Fascismo e Comunismo).

Pretendo chegar ao fato do ser humano procurar influências para construir a própria identidade e tomar suas atitudes e esse fato é utilizado principalmente por profissionais de marketing, publicitários, jornalistas e POLÍTICOS. Por isso que ter um influenciador na mídia é tão buscado.

A Havaianas, por exemplo, conseguiu mudar seu posicionamento saindo de sandália comum para sandália top. Para isso ela deu várias sandálias diferenciadas para influenciadores (principalmente estrelas), pagou para eles usarem e deu todo um suporte midiático.

Quando há alguma crise empresarial, os profissionais de comunicação buscam dar as explicações, em primeira instância, aos influenciadores do seu público, não necessariamente para neutralizá-los, mas muito mais para o problema não sair da boca desses influenciadores somente com uma versão.

Não poderia deixar de comentar sobre o absurdo que está acontecendo com dois influenciadores no campo da comunicação e política que está acontecendo hoje. Os dois alvos que estou me referindo são a jornalista do SBT Rachel Sheherazade e o professor Olavo de Carvalho. Ambos muito influentes para o seu público. A Rachel Sheherazade na televisão. O Olavo de Carvalho na internet.

O “problema” dos dois está no fato deles atrapalharem o andamento de um projeto (objetivo) que grupos políticos têm. O objetivo desses grupos é quebrar certas tradições, valores, culturas. Antes não havia influenciadores na comunicação com tanto poder de influência que chegasse a atrapalhar muito a conquista dos objetivos, agora tanto a Rachel Sheherazade quando o Olavo de Carvalho (junto com outros) são peças importantes na reação.

Justamente por serem influenciadores, o avanço em cima da Rachel Sheherazade e do Olavo de Carvalho está vindo de forma intensa. Neutralizá-los é muito, mas muito mais fácil do que tentar reverter o quadro ponto a ponto, indivíduo por indivíduo ou simplesmente tentar rebatê-los fazendo uma guerra midiática limpa. Para eles é muito mais vantajoso (e fácil) tentar queimar a reputação e o poder de influência da Rachel Sheherazade e do Olavo do Carvalho, fazendo com que seus públicos percam a confiança e quebre (ou corroa) o poder de influencia que a Rachel Sheherazade e o Olavo de Carvalho têm diante do público.

Não entrarei, por hora, nos “porquês” e no “como” isso está sendo feito. Mas, posteriormente, pretendo apresentar algumas técnicas que estão sendo utilizadas e técnicas que ainda podem ser utilizadas. Essas postagens iniciais são mais para situar vocês no que venho a abordar daqui a algumas postagens.






Nenhum comentário:

Postar um comentário